terça-feira, 29 de dezembro de 2009

O Picalima, o Natal e a equipa da CME

O Picalima continua na maior.

E aqui reproduzo o último que me chegou

Continua Picalima ca'gente gosta.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Primeiro o PS depois o PR

Por Mário Crespo no Jornal de Notícias

Portugal tem tido muita gente esquisita a governá-lo mas, com Cavaco Silva e José Sócrates, atingimos um elevado grau de desconforto. O semipresidencialismo destes dois homens produziu um regime híbrido que não executa nem deixa executar. Semi-governante e semi-presidente ao fim de quatro anos de semi-vida institucional aparecem embrulhados numa luta por afirmação confusa e desagradável de seguir. O embaraço público que foram os cumprimentos de Natal adensou a sensação de incómodo. O regime poderia funcionar se os actores se quisessem complementar. Mas estes actores, por formação e deformação, não têm valências associáveis. O voluntarismo de que os dois vão dando testemunho não chega para disfarçar as suas limitações. Com eles a circular a alta velocidade nos topos de gama à prova de bala e nos jactos executivos do Estado, o futuro de Portugal fica hipotecado ao patético despique da escolha de impropérios numa inconsequente zaragata de raquíticos. Até que alguém de fora venha pôr ordem na casa. A menos que venha alguém de dentro. Semi-governante e semi-presidente tornaram-se descartáveis e, dada a urgência, é preciso começar pelo Partido Socialista. A crise no PS com a ausência de resultados desta direcção é muito mais séria para Portugal do que o tumulto no PSD. Porque o PS governa e o PSD não. O PSD morreu. Ressuscitará ao terceiro dia para um mundo diferente. Um mundo em que homens casam com homens e mulheres com mulheres e onde se morre, ou se mata, por uma questão de vontade, requerimento ou decreto. Um mundo cheio de coisas difíceis de descrever. Coisas que precisam de muitas palavras para serem narradas e, mesmo assim, não fazem sentido. Como por exemplo a "activista-transexual-espanhola" que é alguém que frequenta o Parlamento de Portugal pela mão deste PS segundo José Sócrates. Um PSD ressuscitado vai ter que incorporar estas invenções na matriz de costumes de Sá Carneiro, inovadora à época, monástica hoje, ainda que, provavelmente, adequada para o futuro. Até lá é aos Socialistas a quem compete definir alguém para governar. Alguém que quando falar de educação não nos faça recordar a Independente. Alguém que quando discutir grandes investimentos não nos faça associar tudo ao Freeport. Alguém que definitivamente não seja relacionável com nada que tenha faces ocultas e que quando se falar de Parlamento não tenha nada a ver com as misteriosas ambiguidades de Carla Antonelli "a activista transexual espanhola" que, com Sócrates, agora deambula pelos Passos Perdidos em busca do seu "direito à felicidade". O governo não pode estar entregue a um PS imprevisível e imprevidente, menor em qualidades executivas e em ética, capturado nos seus aparelhos por operadores desalmados e oportunistas. Recuperar a majestade das construções ideológicas e políticas de Salgado Zenha, Sottomayor Cardia e Mário Soares é fundamental nesta fase da vida, ou da morte, do país. No Partido Socialista há gente seguramente preparada governar e começar a recuperar o clima de confiança e respeito pelos executivos nacionais que Sócrates e Cavaco arruinaram. Substituir Sócrates é já um dever. Na hierarquia de urgências o problema Cavaco Silva vem depois mas, também aqui, Portugal tem que ter na Presidência alguém que não possa ser nem vagamente relacionável com nada onde subsistam incógnitas. E há muitas incógnitas no BPN. Mas cada coisa a seu tempo. Primeiro o PS, depois o PR.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Solstício de Inverno


Carissímos visitantes,

Acontece o Solstício de Inverno e surge o Período a que agora chamam pomposamente de Natal e Harmonia.

Por esta altura, com as novas tecnologias, tornou-se hábito enviar e-mail's padronizados de duvidosa beleza(?) para a lista de endereços que se possui com Cc, com Bcc, ou com To, para toda a gente.

Eu prefiro enviar algo PERSONALIZADO, não padronizado, com conteúdo; e denunciar sempre, aquilo que nada me diz.

Para ler vai o poema "Dia de Natal" de António Gedeão

Também para ler vai o poema "Quando um Homem quiser" do sempre Ary dos Santos



************************************

De: António Gedeão - Dia de Natal

Hoje é dia de era bom.
É dia de passar a mão pelo rosto das crianças,
de falar e de ouvir com mavioso tom,
de abraçar toda a gente e de oferecer lembranças.

É dia de pensar nos outros— coitadinhos— nos que padecem,
de lhes darmos coragem para poderem continuar a aceitar a sua miséria,
de perdoar aos nossos inimigos, mesmo aos que não merecem,
de meditar sobre a nossa existência, tão efémera e tão séria.

Comove tanta fraternidade universal.
É só abrir o rádio e logo um coro de anjos,
como se de anjos fosse,
numa toada doce,
de violas e banjos,
Entoa gravemente um hino ao Criador.
E mal se extinguem os clamores plangentes,
a voz do locutor
anuncia o melhor dos detergentes.

De novo a melopeia inunda a Terra e o Céu
e as vozes crescem num fervor patético.
(Vossa Excelência verificou a hora exacta em que o Menino Jesus nasceu?
Não seja estúpido! Compre imediatamente um relógio de pulso antimagnético.)

Torna-se difícil caminhar nas preciosas ruas.
Toda a gente se acotovela, se multiplica em gestos, esfuziante.
Todos participam nas alegrias dos outros como se fossem suas
e fazem adeuses enluvados aos bons amigos que passam mais distante.

Nas lojas, na luxúria das montras e dos escaparates,
com subtis requintes de bom gosto e de engenhosa dinâmica,
cintilam, sob o intenso fluxo de milhares de quilovates,
as belas coisas inúteis de plástico, de metal, de vidro e de cerâmica.

Os olhos acorrem, num alvoroço liquefeito,
ao chamamento voluptuoso dos brilhos e das cores.
É como se tudo aquilo nos dissesse directamente respeito,
como se o Céu olhasse para nós e nos cobrisse de bênçãos e favores.

A Oratória de Bach embruxa a atmosfera do arruamento.
Adivinha-se uma roupagem diáfana a desembrulhar-se no ar.
E a gente, mesmo sem querer, entra no estabelecimento
e compra— louvado seja o Senhor!— o que nunca tinha pensado comprado.

Mas a maior felicidade é a da gente pequena.
Naquela véspera santa
a sua comoção é tanta, tanta, tanta,
que nem dorme serena.

Cada menino
abre um olhinho
na noite incerta
para ver se a aurora
já está desperta.
De manhãzinha,
salta da cama,
corre à cozinha
mesmo em pijama.

Ah!!!!!!!!!!

Na branda macieza
da matutina luz
aguarda-o a surpresa
do Menino Jesus.

Jesus
o doce Jesus,
o mesmo que nasceu na manjedoura,
veio pôr no sapatinho
do Pedrinho
uma metralhadora
.

Que alegria
reinou naquela casa em todo o santo dia!
O Pedrinho, estrategicamente escondido atrás das portas,
fuzilava tudo com devastadoras rajadas
e obrigava as criadas
a caírem no chão como se fossem mortas:
Tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá.

Já está!
E fazia-as erguer para de novo matá-las.
E até mesmo a mamã e o sisudo papá
fingiam
que caíam
crivados de balas.

Dia de Confraternização Universal,
Dia de Amor, de Paz, de Felicidade,
de Sonhos e Venturas.
É dia de Natal.
Paz na Terra aos Homens de Boa Vontade.
Glória a Deus nas Alturas.

************************************

De: Ary dos Santos - Quando um Homem quiser

Tu que dormes à noite na calçada do relento
Numa cama de chuva com lençóis feitos de vento
Tu que tens o Natal da solidão, do sofrimento
És meu irmão amigo
És meu irmão

E tu que dormes só no pesadelo do ciúme
Numa cama de raiva com lençóis feitos de lume
E sofres o Natal da solidão sem um queixume
És meu irmão amigo
És meu irmão

Natal é em Dezembro
Mas em Maio pode ser
Natal é em Setembro
É quando um homem quiser
Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher

Tu que inventas ternura e brinquedos para dar
Tu que inventas bonecas e comboios de luar
E mentes ao teu filho por não os poderes comprar
És meu irmão amigo
És meu irmão

E tu que vês na montra a tua fome que eu não sei
Fatias de tristeza em cada alegre bolo-rei
Pões um sabor amargo em cada doce que eu comprei
És meu irmão amigo
És meu irmão

Natal é em Dezembro
Mas em Maio pode ser
Natal é em Setembro
É quando um homem quiser
Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher

************************************
Um abraço amigo do
AJPM de ETZ

(EU NÃO VOTEI PS! E VOCÊ VOTOU?)

domingo, 20 de dezembro de 2009

O Palhaço deste meu país...

O Palhaço deste meu país está no blogue wehavekaosinthegarden

Um texto do Mário Crespo publicado no JN que termina assim:

"...A escolha é simples. Ou nós, ou o palhaço."

E em apoio à coragem de Mário Crespo eu termino assim:

"...Entre nós e Sócrates. Eu não escolho o palhaço."

Este é o texto:

O palhaço compra empresas de alta tecnologia em Puerto Rico por milhões, vende-as em Marrocos por uma caixa de robalos e fica com o troco. E diz que não fez nada. O palhaço compra acções não cotadas e num ano consegue que rendam 147,5 por cento. E acha bem.O palhaço escuta as conversas dos outros e diz que está a ser escutado. O palhaço é um mentiroso. O palhaço quer sempre maiorias. Absolutas. O palhaço é absoluto. O palhaço é quem nos faz abster. Ou votar em branco. Ou escrever no boletim de voto que não gostamos de palhaços. O palhaço coloca notícias nos jornais. O palhaço torna-nos descrentes. Um palhaço é igual a outro palhaço. E a outro. E são iguais entre si. O palhaço mete medo. Porque está em todo o lado. E ataca sempre que pode. E ataca sempre que o mandam. Sempre às escondidas. Seja a dar pontapés nas costas de agricultores de milho transgénico seja a desviar as atenções para os ruídos de fundo. Seja a instaurar processos. Seja a arquivar processos. Porque o palhaço é só ruído de fundo. Pagam-lhe para ser isso com fundos públicos. E ele vende-se por isso. Por qualquer preço. O palhaço é cobarde. É um cobarde impiedoso. É sempre desalmado quando espuma ofensas ou quando tapa a cara e ataca agricultores. Depois diz que não fez nada. Ou pede desculpa. O palhaço não tem vergonha. O palhaço está em comissões que tiram conclusões. Depois diz que não concluiu. E esconde-se atrás dos outros vociferando insultos. O palhaço porta-se como um labrego no Parlamento, como um boçal nos conselhos de administração e é grosseiro nas entrevistas. O palhaço está nas escolas a ensinar palhaçadas. E nos tribunais. Também. O palhaço não tem género. Por isso, para ele, o género não conta. Tem o género que o mandam ter. Ou que lhe convém. Por isso pode casar com qualquer género. E fingir que tem género. Ou que não o tem. O palhaço faz mal orçamentos. E depois rectifica-os. E diz que não dá dinheiro para desvarios. E depois dá. Porque o mandaram dar. E o palhaço cumpre. E o palhaço nacionaliza bancos e fica com o dinheiro dos depositantes. Mas deixa depositantes na rua. Sem dinheiro. A fazerem figura de palhaços pobres. O palhaço rouba. Dinheiro público. E quando se vê que roubou, quer que se diga que não roubou. Quer que se finja que não se viu nada.Depois diz que quem viu o insulta. Porque viu o que não devia ver.O palhaço é ruído de fundo que há-de acabar como todo o mal. Mas antes ainda vai viabilizar orçamentos e centros comerciais em cima de reservas da natureza, ocupar bancos e construir comboios que ninguém quer. Vai destruir estádios que construiu e que afinal ninguém queria. E vai fazer muito barulho com as suas pandeiretas digitais saracoteando-se em palhaçadas por comissões parlamentares, comarcas, ordens, jornais, gabinetes e presidências, conselhos e igrejas, escolas e asilos, roubando e violando porque acha que o pode fazer. Porque acha que é regimental e normal agredir violar e roubar.E com isto o palhaço tem vindo a crescer e a ocupar espaço e a perder cada vez mais vergonha. O palhaço é inimputável. Porque não lhe tem acontecido nada desde que conseguiu uma passagem administrativa ou aprendeu o inglês dos técnicos e se tornou político. Este é o país do palhaço. Nós é que estamos a mais. E continuaremos a mais enquanto o deixarmos cá estar. A escolha é simples.Ou nós, ou o palhaço.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

O sismo e o PS

Ouve um sismo de grau 6.0 neste país à beira mar plantado e os organismos manifestaram-se na Internet

***************

IM
Instituto de Meteorologia:

Aviso de Sismo Sentido no Continente 17-12-2009 01:372009-12-17 01:37:00

O Instituto de Meteorologia informa que no dia 17-12-2009 pelas 01:37 (hora local) foi registado nas estações da Rede Sísmica do Continente, um sismo de magnitude 6.0 (Richter) e cujo epicentro se localizou a cerca de 100 km a Oeste-Sudoeste do Cabo S.Vicente.

Este sismo, de acordo com a informação disponível até ao momento, não causou danos pessoais ou materiais e foi sentido em todo o território do Continente, verificando-se que a intensidade máxima foi de V (escala de Mercalli modificada) na região de Lagos e Portimão.

Até ao momento foram registadas cinco réplicas de menor magnitude.

Se a situação o justificar serão emitidos novos comunicados.

Sugere-se o acompanhamento da evolução da situação através da página do IM na Internet (http://www.meteo.pt/) e a obtenção de eventuais recomendações junto da Autoridade Nacional de Protecção Civil (http://www.prociv.pt/).

No Instituto de Meteorologia trabalha-se a sério

***************

ANPC
Autoridade Nacional de Protecção Civil

EM FOCO PÁGINA INICIAL
2009-12-17
SITUAÇÕES OPERACIONAIS RELEVANTES

17DEZ09 - 3h00
O Instituto de Meteorologia registou nas suas estações de rede sísmica um sismo de magnitude 6.0 da escala de Richter às 01.37 horas com epicentro a cerca de 100 km a oeste-sudoeste do Cabo de São Vicente. O sismo foi sentido em vários distritos do País, com mais intensidade a sul do País. Até ao momento não são conhecidos quaisquer danos materiais ou pessoais. A ANPC, através do Comando Nacional e dos Comandos Distritais de Operações de Socorro, continua a apurar eventuais efeitos e a acompanhar a situação.

Na Autoridade Nacional de Protecção Civil, os funcionários do partido Socialista colocados na Protecção Civil o que dizem é nada. Tão a dormir!
Maldita a hora em que dei a minha colaboração para uma revolução que colocou esta Escumalha Xuxialista no poder.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Este é o país do PS de Sócrates

“Ao fim de 35 anos após o 25 de Abril, nunca pensei que fosse escrever um livro sobre censura e liberdade de expressão”. Estas foram as primeiras palavras ditas por Gonçalo Amaral na apresentação do seu novo livro, no Porto.

É URGENTE a união de todos os portugueses para acabar com a escumalha que se diz socialista.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Estremoz ceia na Câmara

O Picalima no "Brados do Alentejo", divulgado no "advalorem" e "outros" Blogues:


Com arte se retrata a pobreza da maioria criada artificialmente.
Continua Picalima! Estremoz agradece.

domingo, 29 de novembro de 2009

Olha só a gracinha...

Publicada ontem no "advalorem" não resisto a reproduzir:

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

O PS e o caso Casa Pia - 7 anos de processo


Pedro Namora: "...o problema foi quando fruto do trabalho da SIC e da jornalista Felicia Cabrita começaram a aparecer outros arguidos e aí as vítimas deixaram de ser vítimas passaram a ser bandidos e os arguidos passaram a ser gente que estava a ser incomodada por crianças que não sabiam o que diziam, não é, e portanto isto transformou-se".
Jornalista: "Exactamente o que é que está a querer dizer-nos que este processo está a arrastar-se também pelo facto de envolver pessoas digamos importantes com papel de relevo na sociedade portuguesa"
Pedro Namora: "...é por culpa de gente que tudo fez para dar cabo deste processo e da credibilidade da investigação
Jornaliosta: "Pode apontar exemplos:"
Pedro Namora: "Claro, sem problema nenhum: Em primeiro lugar o Dr. Mário Soares..." "...ele o Dr. José Miguel Judice, Manuel Alegre, o actual Ministro da Defesa, o anterior Ministro da Saúde, repare...".

E assim se denuncia, sem medos, com enorme coragem, a intervenção do PS na sociedade portuguesa...

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Reforma com 40 anos de trabalho, só com cartão cor de rosa ou cor de laranja

PS e PSD regeitam reforma aos 40 anos de trabalho e descontos para a Segurança Social
A proposta de alteração à Lei de Bases da Segurança Social, apresentada pelo Bloco de Esquerda, foram esta sexta-feira rejeitadas na Assembleia da República, com os votos contra do PS e a abstenção do PSD.
O Bloco de Esquerda apresentou, no Parlamento, uma proposta de alteração à Lei de Bases da Segurança Social com o objectivo de tornar possível a obtenção da reforma após 40 anos de contribuições, sem penalizações.
Esta iniciativa legislativa tinha como objectivo garantir o direito a uma pensão de reforma sem penalizações ou reduções, independentemente da idade, ao fim de 40 anos de trabalho.
O Bloco de Esquerda alegou, na sua exposição dos motivos para apresentação da proposta de lei, que "existe uma situação de injustiça para com aqueles que mais trabalham e em particular contra aqueles que mais cedo começaram a trabalhar".
O Bloco de Esquerda salientou que o factor de sustentabilidade e a nova taxa de substituição da fórmula de calculo das pensões, ambos definidos na actual Lei de Bases da Segurança Social, têm como consequência "a diminuição substancial do valor das pensões, bem como o aumento da idade da reforma".

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

A pouca vergonha não é só em Estremoz

"PGR tem contribuído mais para confundir do que esclarecer"



In: Diário Económico

Aguiar Branco considera que a forma como Pinto Monteiro tem agido e comunicado no âmbito do processo Face Oculta “tem contribuído mais para confundir do que para esclarecer”.

Antes da abertura das jornadas parlamentares, que estão a decorrer em Espinho e que terão como um dos temas centrais a justiça, Aguiar Branco apontou ainda a "insensibilidade que o PGR demonstrou perante ataques muito violentos que foram feitos, por membros do Governo, nomeadamente o ministro Vieira da Silva que atacou e culpabilizou o ministério público e essa é uma situação grave".

Quanto às declarações que a presidente do PSD fez ontem ao Diário Económico sobre a necessidade de se apurar "responsabilidades políticas" no caso Face Oculta, o líder parlamentar respondeu que Ferreira Leite "referiu que do ponto de vista político esta questão não ficava encerrada".

"E de facto não está", disse, lembrando que, por isso, o PSD já pediu a audição do ministro Vieira da Silva no Parlamento, um requerimento que será votado na reunião da primeira comissão, agendada para a próxima quarta-feira.

"Não é atacando o sistema judicial, culpabilizando os agentes da justiça e atacando a investigação criminal que nós restauramos a confiança no sistema de justiça", concluiu.

sábado, 14 de novembro de 2009

Este país está podre

Eu só gostava de saber o que é que este gajo é a mais do que eu neste pais. Estou farto desta escumalha toda. Se fosse eu o amigo do Armando Vara já estava preso. Vale tudo e se algo corre mal vá de destruir provas.

In: JN de Sábado 14 de Novembro

Noronha manda destruir escutas a José Sócrates

O presidente do Supremo Tribunal de Justiça, Noronha Nascimento, decidiu, ontem, sexta-feira, anular e destruir as escutas telefónicas do processo Face Oculta em que intervém o primeiro-ministro, José Sócrates, à conversa com Armando Vara.

A decisão de Noronha Nascimento foi tomada poucas horas depois de lhe serem entregues, em mão, informações complementares sobres as escutas que haviam sido pedidas ao Ministério Público de Aveiro, apurou o JN. O presidente do STJ terá considerado as escutas nulas e irrelevantes do ponto de vista criminal.

A urgência da decisão terá sido agravada pela manchete de ontem do semanário "Sol" e pela reacção pronta e dura de José Sócrates, ainda da parte da manhã. "Isto está a passar todas as marcas", protestou o primeiro-ministro, afirmando-se insultado pelo trabalho publicado pelo "Sol", com escutas do processo Face Oculta e um título assertivo na primeira página: "Sócrates mentiu ao Parlamento sobre a TVI".

Com uma tensão mal disfarçada, o primeiro-ministro disse desconhecer as escutas e, rodeado de jornalistas, dirigiu-se ao procurador-geral da República, Pinto Monteiro: " A questão mais importante para mim é saber se, durante meses a fio, fui escutado, com as conversas a serem transcritas e gravadas, e se isso é legal e possível ser feito num Estado de Direito", sublinhou.

Pinto Monteiro não prestou os esclarecimentos solicitados durante o dia de ontem, mas é pouco provável que tenha ficado parado. E a verdade é que a decisão que mais interessava a Sócrates foi tomada com celeridade. Além da pressão imposta por Sócrates, um outro facto ajudará a explicar a rápida decisão do presidente do STJ de anular e destruir as escutas que a PGR lhe fez chegar às mãos nos últimos meses, por via de cerca de uma dezena de certidões do processo Face Oculta.

As informações complementares pedidas a Aveiro tinham a ver com a identificação cabal de alguns dos intervenientes nas conversas escutadas. E depois de Noronha Nascimento proferir despacho sobre duas certidões, em Setembro, terá entretanto analisado e formado uma convicção sobre as outras certidões, que ontem imediatamente verificou não ser alterável pelos dados complementares recebidos.

As informações até agora vindas a público aventavam a possibilidade de as escutas indiciarem o primeiro-ministro de um eventual crime de tráfico de influências, punido com pena até cinco anos, quando se trata de acto ilícito, e de três, quando se trata de acto lícito. Note-se que as escutas só são possíveis em crimes com pena superior a três anos.

Mas a situação mais gravosa que tem sido apontada, nesses telefonemas entre Sócrates e Vara, diz respeito a hipotéticas diligências do primeiro no sentido de ser viabilizada a compra de 35% da Media Capital pela Portugal Telecom (ver texto nestas páginas). Ora, a observância do crime de tráfico de influências exige que alguém abuse da sua influência "junto de qualquer entidade pública", o que não é o caso da PT, que foi privatizada em 1996.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

As dúvidas não se resolvem destruindo provas



In: "económico digital"

A presidente do PSD disse hoje no Parlamento que "as dúvidas políticas não se resolvem destruindo provas", referindo-se às escutas entre Sócrates e Vara que foram dadas como nulas pelo Supremo Tribunal.
Na Assembleia da República, Ferreira Leite pediu ainda ao primeiro-ministro que esclareça o país sobre este caso. "O primeiro-ministro tem consciência da necessidade de esclarecer o país", declarou a social-democrata durante uma discussão no Parlamento sobre corrupção. "As dúvidas políticas não se resolvem adiando investigações e destruindo provas", acrescentou.
Trata-se de uma referência directa às escutas entre Sócrates e Armando Vara, arguido no processo 'Face Oculta', que foram ontem dadas como nulas pelo Supremo Tribunal de Justiça, o que as torna inutéis para o caso.
A decisão motivou ainda um desentendimento público entre o Supremo Tribunal e a Procuradoria-Geral da República. E sobre este caso, a líder do PSD disse ainda que "a crise das instituições afecta o sistema de Justiça e os seus órgãos superiores".

domingo, 8 de novembro de 2009

Chips versus Carimbo

No Diário de Notícias de ontem:
Os comunistas apresentaram ontem um diploma a propor a revogação do chamado "Dispositivo Electrónico de Matrícula", bem como do "Sistema de Identificação Electrónica de Veículos" no âmbito do qual aquele foi aprovado. Uma matéria que desde sempre suscitou a crítica de todos os partidos da oposição. O diploma, que pode ser o primeiro em que a oposição parlamentar lembra ao executivo que perdeu a maioria a 27 de Setembro, leva à exclusão "da obrigatoriedade da instalação dos chips em todos os veículos automóveis e seus reboques, em todos os motociclos e os triciclos autorizados a circular em infra-estruturas rodoviárias onde seja devido o pagamento de taxa de portagem".
Já ontem, durante o debate, Luís Fazenda, do BE, lembrava precisamente o caso dos chips como uma das matérias que a oposição pode resolver na AR.

Sugestão:
E porque não substituir o Chip na matrícula dos automóveis por um Carimbo na testa de um Xuxa. Desta forma a empresa contratadsa para a produção dos chips produzia carimbos e não ficava defraudada nas suas espectativas de negócio, apesar do número de xuxas, dispostos a serem carimbados, se estar a reduzir gradualmente.

sábado, 7 de novembro de 2009

Qualquer coisa está podre no Reino da Dinamarca

Diz-me com quem andas e direi quem és!

No Blogue PAPA AÇORDAS:

Sócrates e Vara: Camaradas de partido, colegas de "universidade"...

'Face Oculta'Sócrates: "Liguei ao Armando Vara como amigo"

À saída do segundo debate sobre o Programa do Governo, na Assembleia da República, o primeiro-ministro José Sócrates falou sobre o caso 'Face Oculta' confirmando que ligou para Armando Vara, socialista arguido no processo, mas que o fez "como amigo" e que vai "continuar a fazê-lo".
-'Telefonei para um amigo e camarada de há muitos anos', referiu Sócrates, acrescentando que o entristece o facto de Armando Vara 'estar envolvido no processo'.
-Recorde-se que o semanário 'Sol' avança esta sexta-feira que a Polícia Judiciária interceptou conversas telefónicas entre o primeiro-ministro e o vice-presidente demissionário do BCP, entre a quais sobre a venda da TVI, no âmbito das investigações do processo 'Face Oculta'.
-Questionado pelos jornalistas, Sócrates não fugiu ao assunto e respondeu ainda que espera que 'a justiça funcione e persiga a corrupção.
-Sobre a continuação de José Penedos, também arguido no processo, à frente da Rede Eléctrica Nacional (REN), o primeiro-ministro relembrou que até ao momento 'as pessoas em causa são arguidos e não acusados', confirmando porém uma avaliação por parte do Governo às empresas públicas.

Notas do Papa Açordas: Um amigo nunca se abandona e, mais a mais, numa altura que um deles está enterrado na corrupção até aos cabelos... Até dá para compreender porque é que o sr. Sócrates nunca quis legislar sobre a corrupção: para não causar danos aos amigos!... Será?...

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Opiniões

Transcrevo um comentário que recebi de um estremocense na sequência da minha denuncia da situação preocupante de compadrio que se vive em Estremoz:

«Há quem compre enquanto houver quem se venda, gordos Sejam cheques, Mercedes, empregos ou até mesmo galinhas. É o país que temos, é assim que os meus conterrâneos querem continuar a viver, Do outro lado continuaremos um lutar, mas será cada vez mais difícil, enquanto continuarmos um assistir a cenas que de democrático Têm muito pouco, prevalecem Interesses OS, e não Só falo do Mietz, também foi o mandato anterior do PS, e os dois que lhe antecederam da CDU, os Cidadãos terão de começar uma Exercer a Cidadania de forma esclarecida e consciente para que não voltemos a presenciar ao vivo e a cores momentos da decrépitos " democracia "na nossa terra ...»

Em poucas palavras está traduzido o sentir de quem não apoia os jogos de bastidores (e é a maioria dos estremocenses - o Movimento do Mourinha tem apenas o apoio de 26,97% de eleitores na CM e 22,88% de eleitores na AM), altamente condenáveis, contra os quais há que fazer uma denuncia e constituir uma oposição profunda e um combate organizado.

Vamos criar um espaço de acompanhamento e denuncia do que se for passando nas Reuniões de Câmara e de Assembleia e alargar o mesmo às Reuniões de Juntas e de Assembleias de Freguesia. Este espaço está para tal aberto a todos os que o queiram fazer. É importante que todos os estremocenses saibam o que se passa nas suas costas.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

A última pouca vergonha em Estremoz

Transcrevo na integra, pela sua importância, o comunicado de ontem da Secção de Estremoz do Partido Socialista.

Comunicado 04.11.209
A Secção de Estremoz do Partido Socialista leva ao conhecimento da população estremocense e demais interessados os seguintes acontecimentos:
1. No dia 03 de Agosto de 2009, a cidadã Sílvia Dias assinou uma declaração de aceitação de candidatura à Câmara Municipal de Estremoz, integrando as listas do Partido Socialista.
2. Fê-lo de livre e espontânea vontade e sem nenhum tipo de pressão.
3. Depois, em nome do PS, participou na feitura do programa eleitoral, nas actividades de campanha e nos debates públicos patrocinados pela Rádio Despertar Voz de Estremoz.
4. No jantar de apresentação pública dos candidatos do PS a cidadã Sílvia Dias, levou a sua família mais íntima e conviveu com todos os presentes.
5. Os estremocenses sabem que a cidadã Sílvia Dias se envolveu neste processo em nome do PS. Foi também em nome do PS que 2867 estremocenses votaram nela e nos candidatos do PS nas últimas eleições autárquicas.
6. Depois das eleições, a cidadã Sílvia Dias esteve presente em diversas reuniões com o PS e numa delas, em S. Lourenço, afirmou o seu amor ao Partido Socialista (sou do PS desde pequenina), jurou fidelidade ao projecto, comoveu-se perante os outros candidatos e terminou afirmando a sua determinação em assumir o lugar de vereadora da oposição.
7. Passados dois dias, perante alguns boatos que a davam como “muleta” ao serviço do MiETZ, a cidadã Sílvia Dias pediu uma reunião com responsáveis do Partido Socialista para, na presença da sua família, reafirmar a sua fidelidade ao PS e confessar que “se mudasse depois não seria capaz de encarar as pessoas”.
8. Posteriormente, na passada 2ª feira, dia 2 de Novembro, a cidadã Sílvia Dias eleita nas listas do PS, (não se sabe a troco de quê) foi apresentada publicamente como vereadora a soldo do MiETZ.
9. Com o seu gesto a cidadã Sílvia Dias desprezou o voto das 2867 pessoas que a elegeram e “viciou” o resultado das eleições, transformando a vitória do MiETZ numa maioria absoluta artificial.
10. A falta de carácter revelada por Sílvia Dias só encontra paralelo com o convite eticamente reprovável que o Presidente da Câmara lhe dirigiu. Depois de ter afirmado no discurso de posse que “não entraria em jogos políticos” o Presidente da Câmara prova, ao dirigir um convite a uma funcionária contratada da autarquia (Sílvia Dias) que não é digno do crédito dos estremocenses.
11. Ficámos todos a saber que cidadã Sílvia Dias não se importou de “vender” a sua posição e que o Presidente da Câmara ainda não perdeu o hábito de não olhar a meios para atingir os fins.
12. As atitudes da Sílvia Dias e de Luís Mourinha são um erro grosseiro, um gravíssimo atentado à democracia e um perigoso precedente na actividade política da autarquia. O Presidente da Câmara acha que pode “comprar” o voto da cidadã Sílvia Dias e esta achou-se no direito de alienar os votos de quem nela confiou, mas a Honra e a Dignidade da Pessoa Humana ninguém pode comprar.

Estremoz, 04 de Novembro de 2009

Saliento particularmente o constante dos pontos 8 a 10.

Aqui está um retrato que traduz por um lado aquilo que eu tenho sistematicamente chamado Escumalha que vegeta pelo partido Socialista, da qual a cidadã Sílvia Dias é um bom exemplo. E que me leva a dizer: VOTO NO PS JAMAIS, enquanto estas situações perdurarem, e não se avizinha um fim próximo.
E aqui está a repetição por parte de Luís Mourinha do vale tudo, tal como valeu no seu mandato anterior comprar o José Miguel Cravo.
Só nos resta que a Assembleia Municipal faça valer o sentir da maioria dos estremocenses que não votaram, nem se revêem no Movimento do Mourinha. E tem para tal a maioria necessária e suficiente de membros 23 num total de 34 que se podem opor aos 11 do Movimento do Mourinha sempre que estiverem em causa os interesses de Estremoz e dos Estremocences.

PELO EXERCICIO DO PODER DELIBERATIVO DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL

URGE REDUZIR A CÂMARA MUNICIPAL TÃO SOMENTE AO ÓRGÃO EXECUTIVO QUE DE FACTO E APENAS É.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Taxa Multibanco e outras roubalheiras

O Parlamento Europeu aprovou a 27 de Abril de 2007 a Directiva sobre Serviços de Pagamentos, que entrou em vigor, dia 1 de Novembro de 2009, a cobrança de taxas sobre pagamentos electrónicos.
Obrigado Europa por mais esta ajudinha que nos dão. Só vejo uma solução, não comprar, NUNCA, em lojas que desejem cobrar uma taxa sobre o pagamento multibanco.
Se a coisa se generalizar, se a banca começar a cobrar uma taxa, por cada levantamento no MB, esquecer o comodismo e a facilidade que ele nos dá, e passarmos todos a ir levantar dinheiro ao balcão do banco. A banca despediu milhares de trabalhadores com a introdução das caixas multibanco.
Se tentarem, vamos apinhar-lhes os balcões e obrigá-los a recuar.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Aqui continuo e continuarei a denunciar a escumalha que vegeta por este país

Eles são:

Ora todos sabemos quem eles são.

Se sabemos quem eles são para quê denunciá-los.

Para não nos esquecermos nunca de quem nos anda a tramar.

E quando se atravessarem no nosso caminho fazer-lhe a vida negra como eles nos fazem a nós.

Para bom entendedor meia palavra basta.

AJPM

domingo, 1 de novembro de 2009

Estremoz entregue aos Bichos

Hoje, dia 1 de Novembro, tomaram posse os eleitos para a Câmara Municipal e para a Assembleia Municipal de Estremoz.
Foi eleita a mesa da Assembleia Municipal, órgão máximo do poder autárquico, já que se trata do orgão deliberativo por excelência, a Câmara Municipal é um mero órgão executivo ao qual os politicos da nossa praça dão mais força do que aquela que a lei efectivamente lhe atribui.
Foram eleitos para a Assembleia Municipal:
Presidente - Martinho dos Santos Torrinha (Movimento do Mourinha)
Primeiro secretário - Ernesto Gomes (Movimento do Mourinha)
Segunda secretária - Cristina Gato (Movimento do Mourinha)

Estamos assim numa situação em que na Assembleia Municipal, os representantes directamente eleitos por 3035 eleitores, (22,88%) dos 13263 eleitores existentes, detêm a totalidade dos lugares da mesa da Assembleia Municipal. Resta-nos a esperança que os elementos da Assembleia Municipal não pertencentes ao Movimento do Mourinha façam valer e defendam na mesma os interesses da maioria dos eleitores estemocenses 10228 (77,12%) que não se revêm no Movimento do Mourinha.
Na totalidade dos 34 membros da Assembleia Municipal, há a considerar o peso dos membros que não pertencem ao Movimento do Mourinha (Independentes 3 + PS 10 + PPD/PSD 5 + PCP-PEV 5) que são 23 (67,65%), contra os 11 (32,35%) do Movimento do Mourinha.
Mais do dobro dos membros da Assembleia Municipal não são do Movimento do Mourinha.
Esperemos que a vontade expressa nas urnas possa ser respeitada, o que não acreditamos muito venha a acontecer, tendo em conta o passado recente, durante o tempo em que Luís Mourinha foi presidente do Municipio. Urge pois estar muito atento às Reuniões da Assembleia Municipal que se venham a realizar.

sábado, 31 de outubro de 2009

Face Oculta - Quem é quem!


Face Oculta
Portucel abre investigação interna para apurar relações com empresas de Manuel Godinho
Ontem às 15:58O grupo Portucel Soporcel desencadeou «um processo de levantamento exaustivo das relações eventualmente existentes» entre os seus funcionários e as empresas de Manuel Godinho, principal arguido do processo Face Oculta, segundo um comunicado do grupo enviado para a TSF.
Empresário Manuel Godinho fica em prisão preventiva
Manuel Godinho regressou ao DIAP de Aveiro
Manuel Godinho deixou instalações do DIAP acompanhado de elementos da PJ
Empresário Manuel Godinho detido no âmbito da operação "Fase Oculta"

Face Oculta
Empresário Manuel Godinho fica em prisão preventiva
30 OUT 09 às 23:15O empresário detido no âmbito da operação Face Oculta, Manuel Godinho, esteve esta sexta-feira a ser interrogado no Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Aveiro e à saída foi revelado que ficará em prisão preventiva.
Portucel abre investigação interna para apurar relações com empresas de Manuel Godinho
Manuel Godinho regressou ao DIAP de Aveiro
Manuel Godinho deixou instalações do DIAP acompanhado de elementos da PJ
José Penedos arguido no processo Face Oculta
Empresário detido após operação Face Oculta ouvido em tribunal de Aveiro

Face Oculta
Manuel Godinho regressou ao DIAP de Aveiro
30 OUT 09 às 21:17O empresário Manuel Godinho, detido quarta-feira passada no âmbito da operação "Face Oculta", regressou esta noite, às 21:00, às instalações do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Aveiro para continuar a ser interrogado.
Portucel abre investigação interna para apurar relações com empresas de Manuel Godinho
Empresário Manuel Godinho fica em prisão preventiva
Manuel Godinho deixou instalações do DIAP acompanhado de elementos da PJ
Empresário detido após operação Face Oculta ouvido em tribunal de Aveiro
Empresário detido na operação Face Oculta interrogado sexta-feira

Face Oculta
Manuel Godinho deixou instalações do DIAP acompanhado de elementos da PJ
30 OUT 09 às 20:09O empresário Manuel José Godinho, detido quarta-feira passada no âmbito da operação "Face Oculta", saiu das instalações do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Aveiro cerca das 18:30 acompanhado de dois elementos da PJ.
Portucel abre investigação interna para apurar relações com empresas de Manuel Godinho
Empresário Manuel Godinho fica em prisão preventiva
Manuel Godinho regressou ao DIAP de Aveiro
Empresário detido após operação Face Oculta ouvido em tribunal de Aveiro
Empresário detido na operação Face Oculta interrogado sexta-feira

Face Oculta
Mário Lino nega ter recebido qualquer pressão de Armando Vara
30 OUT 09 às 17:22O ex-ministro das Obras Públicas Mário Lino negou, esta sexta-feira, ter recebido qualquer tipo de pressão de Armando Vara no sentido de demitir a administração da REFER, envolvido na investigação «Face Oculta».
Sócrates recusa «comentar processos judiciais»
José Penedos arguido no processo Face Oculta
Empresário detido após operação Face Oculta ouvido em tribunal de Aveiro
Armando Vara confirma que foi constituído arguido
Face Oculta
Sócrates recusa «comentar processos judiciais»
30 OUT 09 às 15:50O primeiro-ministro esscusou-se, esta sexta-feira, a comentar a operação «Face Oculta», no âmbito da qual foi constituído arguido o vice-presidente do Millenium BCP Armando Vara, alegando que não se pronuncia sobre processos judiciais.
Mário Lino nega ter recebido qualquer pressão de Armando Vara
José Penedos arguido no processo Face Oculta
Armando Vara confirma que foi constituído arguido
Empresário detido na operação Face Oculta interrogado sexta-feira

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Armando Vara - Arguido

Limito-me a transcrever o que sobre esta personagem está escrito na wikipédia:

Armando Vara
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Armando António Martins Vara (Vilar de Ossos, Vinhais, 19 de Fevereiro de 1954) é um político português e administrador bancário[1]. Estudou Filosofia na Universidade Nova de Lisboa, tendo abandonado a universidade sem obter o diploma de licenciatura. Mais tarde obteve o diploma de licenciatura no Curso de Relações Internacionais na agora defunta Universidade Independente, três dias antes [2] [3] da sua nomeação para a Administração da Caixa Geral de Depósitos, cargo que deixou de exercer para assumir a presidência do Banco Comercial Português[4].
Um mês e meio depois de ter abandonado a Caixa Geral de Depósitos para assumir a vice-presidência do Banco Comercial Portugal foi promovido no banco público ao escalão máximo de vencimento, o nível 18, o que terá reflexos para efeitos de reforma [5].
[editar] Carreira política
Foi deputado à Assembleia da República nas IV, V, VI e VII Legislaturas.
Em 1991 foi candidato a presidente da Câmara Municipal da Amadora, tendo perdido para a CDU. Foi vereador durante algum tempo.
No governo de António Guterres foi primeiro a secretário de Estado da Administração Interna (1995-97), depois a secretário de Estado adjunto do ministro da Administração Interna (1997-99).
Após a vitória eleitoral do PS em 1999, tornou-se ministro adjunto do primeiro-ministro (1999-2000), com os pelouros da juventude, toxicodependência e comunicação social.
Vara recorreu ao director-geral do GEPI (Gabinete de Estudos e Planeamento de Instalações do Ministério da Administração Interna) e a engenheiros que dele dependiam para projectar a moradia que construiu perto de Montemor-o-Novo[6][7].
Em 2000, passou a ministro da Juventude e Desporto.
Ainda em 2000 viu-se forçado a pedir a demissão ao surgirem notícias sobre alegadas irregularidades cometidas pela Fundação para a Prevenção e Segurança, que fundara no ano anterior, quando era secretário de Estado, processo que seria posteriormente arquivado.
Em Outubro de 2009, mantendo a sua honestidade característica, Armando Vara é um dos 12 arguidos constituídos no âmbito da operação Face Oculta desencadeada pelo Departamento de Investigação Criminal de Aveiro[8].

O Futuro dirá certamenete algo mais...

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Sorrisos

Ao olhar para esta foto, tenho vontade de chorar e não de rir. Coitado de mim e dos naturais do meu pais que tem nas mais altas instâncias do poder sorrisos destes.

Como é que nos vamos ver livres destes cromos? Aceitam-se propostas. A melhor será galhardoada com o prémio "Porreio pá!"

terça-feira, 27 de outubro de 2009

TVI desvenda mistério do êxito do MIETZ nas eleições em Estremoz

Entrevista da TVI a um dos eleitores representativo do universo dos votantes no MIETZ em Estremoz:

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Este país tem ministros que nem sabem falar

Começamos bem!



"...Todos os governos são para quatro anos, são eleitos para isso..."(*)
Helena André, a ministra do Trabalho e da Solidariedade Social (na última foto), desconhece que os ministros não são eleitos, o que é grave. Ou não sabe o significado de "eleitos", o que é também muito grave.
E assim razão tem quem diz: "...No meu tempo, os alunos com a quarta classe davam menos erros do que alguns ministros agora..."(**)

(*) - Helena André em declarações no Telejornal de 2009/10/26.
(**) - Medina Carreira em entrevista ao Expresso em 2009/10/24.

domingo, 25 de outubro de 2009

Encerrado o processo directo das eleições autárquicas em Estremoz

Com a realização do acto eleitoral em S. Bento de Ana Loura, culminou o processo de eleição directo para a autárquia estremocense no que respeita às eleições autárquicas de 2009.

Vão de seguida ter lugar a eleição indirecta dos membros da Junta de Freguesia (para além do presidente) e das Mesas das Assembleias de Freguesia e da Assembleia Municipal. O que ocorrerá muito em breve.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Os Rosinhas no Poleiro

Estes são os Rosinhas que Pinto de Sousa escolheu para nos tempos mais próximos, e durante não se sabe quanto tempo, assentarem arraiais no Poleiro para implementarem a política dos xuxas:

Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros: Luís Amado
Ministro de Estado e das Finanças: Teixeira dos Santos
Ministro da Presidência: Pedro Silva Pereira
Ministro da Defesa Nacional: Augusto Santos Silva
Ministro da Administração Interna: Rui Pereira
Ministro da Justiça: Alberto Martins
Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento: Vieira da Silva
Ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas: António Serrano
Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações: António Mendonça
Ministra do Ambiente e do Ordenamento do Território: Dulce Pássaro
Ministra do Trabalho e da Solidariedade Social: Helena André
Ministra da Saúde: Ana Jorge
Ministra da Educação: Isabel Alçada
Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior: Mariano Gago
Ministra da Cultura: Gabriela Canavilhas
Ministro dos Assuntos Parlamentares: Jorge Lacão
Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros: João Tiago Silveira

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Caim!... Caim!... Caim!...

Caim!... Caim!... Caim!...

O mesmo é dizer:

Ladrem!... Ladrem!... Ladrem!...

Os cães ladram e a caravana passa.

In: Página Oficial de Mário David (deputado ao Parlamento europeu eleito nas listas do PSD) - Saramago: Já Chega!

"José Saramago, há uns anos, fez a ameaça de renunciar à cidadania portuguesa. Na altura, pensei quão ignóbil era esta atitude. Hoje, peço-lhe que a concretize... E depressa! Tenho vergonha de o ter como compatriota! Ou julga que, a coberto da liberdade de expressão, se lhe aceitam todas as imbecilidades e impropérios?
Se a outorga do Prémio Nobel o deslumbrou, não lhe confere a autoridade para vilipendiar povos e confissões religiosas, valores que certamente desconhece mas que definem as pessoas de bom carácter."

Enquanto o PSD estiver infestado de gente desta, não haverá alternativa ao PS. Porque é que este tipo não se candidata pelo PNR? Tenho vergonha de ter gente desta a dizer-se representante do meu país no Parlamento Europeu.

Mas a Lucidez existe In: WEHAVEKAOSINTHEGARDEN

"Goste-se ou não da pessoa, goste-se ou não da escrita, quem não gosta nada é a igreja. Zangam-se, e zangam-se porque sabem que o que ele analisa de forma racional, lógica e cientifica o seu livro sagrado e facilmente mostra exemplos de como aquele Deus, que o homem criou, é cruel e mau. As contradições e discrepâncias são mais que muitas e facilmente evidenciadas. Contra isto, tudo o que a igreja pode argumentar é a Fé cega e irracional. Por isso se zanga, como sempre se zangou quando alguém a ousa questionar. Que se zanguem, mas não chateiem."

E até num pequeno burgo, em Estremoz, Kruzes Kanhoto dá espaço ao debate e abre a comentários de terceiros In: A "coragem da velha carcaça"

"Não gosto da obra de José Saramago. Tentei lê-lo muito antes de se imaginar que o homem pudesse um dia ser laureado com um Nobel e, confesso, desisti. Também não gosto de o ouvir falar. Embora, felizmente, as suas aparições televisivas sejam raras, o homem tem por hábito despejar um chorrilho de disparates que, não sendo de estranhar em pessoas da sua idade, não parecem próprios de alguém que tem um certo prestígio a salvaguardar.
Gostei, no entanto, das declarações que o dito escritor proferiu ontem em Penafiel por ocasião do lançamento do seu último livro. Não porque conheça a Bíblia, foi livro que nunca me despertou qualquer tipo de curiosidade, mas sim pela frontalidade, descaramento vá, com que Saramago se referiu à religião e à escravatura do homem perante um suposto Deus que um dia alguém se lembrou de inventar. Pode tê-lo dito de forma arrogante e apenas com a intenção de promover a sua obra através da criação de um polémica artificial mas, apesar disso, foi, quanto a mim, uma daquelas verdades inconvenientes que alguém tinha de dizer."

A presente situação faz-me lembrar um distinto xuxialista eborense que a propósito de Saramago dizia há uns tempos: Não gosto! Não leio! (próprio da pobreza de espirito dos xuxas - como pode não gostar se não lê?).

De um lado chove de outro faz vento. Porque será que as verdades incomódam esta gente (Mário David - laranja podre e Monarca Pinheiro - rosa murcha).

Mais do que o homem interessa-me a obra. E a obra de José Saramago contribui para despertar consciências neste nosso país à beira mar plantado.

Vou ler o seu último livro "Caim" e pela polémica que já está instalada o mesmo promete.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Vivemos uma hora difícil

Permitam que subscreva um texto retirado do NotíciasAlentejo.pt.
Permitam ainda que não cite já o nome do seu autor, e o faça sómente mais tarde.
Isto, porque mais importante do que quem diz é o que se diz.
E a importância de quem diz depende do que diz.
E como é importante o que diz é por tal importante quem diz.
Fico-me por este trocadilho de o "que diz" e "quem diz".
E continuo na minha máxima:
A importância não está em "quem diz" mas no "que diz".

Vivemos uma hora difícil
É evidente para o comum das pessoas que a hora histórica que estamos a viver é complicada. À escala mundial. Começando por nós, estamos a sentir na pele as consequências da displicência com que encarámos a entrada na democracia e a integração na CEE, hoje União Europeia. Enquanto povo, parece que pensámos que o simples facto de passarmos a integrar o clube das democracias representava a posse de um passaporte para o paraíso, sentimento que se acentuou com a chegada torrencial dos fundos comunitários da fase da fartura, em cujo preço e consequências onerosas não pensámos. Foi o “fartar, vilanagem” das palavras derradeiras do Conde de Abranches, na batalha de Alfarrobeira, ao lado do Infante D. Pedro. Esbanjámos até que mais não. Viciámo-nos no esbanjamento. Aí estamos agora de cinto apertado, de cinto a apertar até quase à asfixia, que é a situação em que nos encontramos.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Corrupção?



Não! que ideia!...
Estes tipos são uns publicitários.

in: Site da TVI http://www.tvi24.iol.pt/
Fax fala em dois milhões de libras em «luvas»
O fax é altamente confidencial. Foi escrito a 17 de Dezembro de 2001, um dia depois das eleições que levaram à demissão de António Guterres e consequente queda do Governo do Partido Socialista.

Altamente confidencial
17 de Dezembro de 2001

Ric Dattani
Freeport plc
Cc. Gary Dawnson

Caro Ric,

Na sequência da nossa conversa telefónica a semana passada, e tendo acabado de voltar de Portugal onde estive 5 dias, posso fazer os seguintes comentários que espero que sejam úteis para si.

1. Um Estudo de Impacto Ambiental é um trabalho bastante substancial (de peso) que envolve várias autoridades. É de conteúdo principalmente técnico.

2. Se estamos face a uma possível rejeição (chumbo), é pouco provável ser possível inverter uma tal decisão seja em que circunstância for, a dois dias da sua rejeição (chumbo) formal por parte do Ministro do Ambiente. Antes do suborno

3. O Ministro do Ambiente, Eng.º José Sócrates, é considerado como um dos pilares do Governo PS e é tido como a integridade em pessoa. Confirmado por outros

4. Os efeitos dos acontecimentos do fim de semana, com os revezes sofridos pelo PS, nomeadamente nas eleições autárquicas, incluindo Lisboa, e a demissão do Governo Guterres significam que Sócrates deixou de ser Ministro do Ambiente e que vai haver um compasso de espera (empate, “stall” no texto original) de quatro ou cinco meses até que seja eleito um novo Governo e seja nomeado um novo ministro, vistos os resultados de novas eleições.

5. É óbvio que o encorajo / sugiro-lhe que apure as razões técnicas da rejeição / do chumbo do seu EIA e que determine as áreas em relação às quais as diferenças podem ser esbatidas, ou em relação às quais se podem lançar pontes que colmatem as diferenças.

6. Encorajo-o / sugiro-lhe que sonde / tome o pulso / apalpe o terreno fora da equipa local por forma a perceber / compreender / determinar / de forma independente o que é que pode ter corrido mal – e ver / verificar se tal vai ao encontro das informações que lhe são fornecidas pela equipa local. Uma visita pessoal à DRAOT ou a quaisquer autoridades que tenham tido a sua palavra a dizer / que tenham tido peso / pode frequentemente render dividendos na compreensão do problema.

A mudança política irá atrasar o processo nos seus termos na parte de planeamento e meio ambiente, mas pode-se /deve-se despender um tempo precioso no determinar das causas de rejeição e nas medidas de correcção aceitáveis.

O conteúdo desta comunicação é confidencial para aqueles a quem é dirigida. A sua finalidade é (tão só) partilhar experiências de mercado com um colega membro PUKCC num sector equivalente

Cumprimentos

Keith payne

Jonathan, este é o fulano que me telefonou e sabe do suborno de 2milhões de libras, sublinhei algumas partes interessantes a partir doponto 4. Se o parlamento é dissolvido até às eleições, o Secretáriode Estado não pode aprovar nem rejeitar nada.

Ric

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Ensaio sobre a Lucidez

Decorridos os últimos actos eleitorais recordo-me do Livro de José Saramago "Ensaio sobre a Lucidez", que muitos apelidaram, quando saiu, de um "Convite ao Voto em Branco". O Livro é muito mais que isso, é a manifestação de descontentamento dos eleitores com os governantes, é o que está para acontecer em Portugal com a continuação dos Xuxialistas no poder.

Num país qualquer, num dia chuvoso de votação, poucos eleitores compareceram para votar, durante a manhã. As autoridades eleitorais, preocupadas, chegaram a supor que haveria uma abstenção gigantesca. À tarde, quase no encerramento da votação, centenas de milhares de eleitores compareceram aos locais de votação. Formaram-se filas quilométricas, e tudo pareceu normal. Mas, para desespero das autoridades eleitorais, houve quase setenta por cento de votos em branco. Uma catástrofe. Evidentemente que as instituições, partidos políticos e autoridades, haviam perdido a credibilidade da população. O voto em branco fora uma manifestação inocente, um desabafo, a indignação pelo descalabro praticado por políticos pertencentes aos partidos da direita, da esquerda e do meio. Políticos de partidos diferentes, mas de actuações iguais, usufruindo de privilégios que afrontavam a população. Os eleitores estavam cansados, revoltados. Os governantes, sentindo-se ameaçados, trataram de agir em nome da ordem, perseguindo, prendendo, maltratando, eliminando. Alguns que viveram os horrores da cegueira branca, novamente sofreram. Os governantes, preocupados em salvar a própria pele, em garantir o poder, não perceberam que a cegueira branca de outrora, demonstrativo de que há muito o homem estava cego, tinham paralelo com o voto branco de agora, indicativo de que a população não perdera a lucidez. Estranhamente, não houve uma mobilização para o facto.

A partir daqui desenvolve-se a trama do livro: o governo e as autoridades deixam a cidade entregue a si própria, abandonando-a e isolando-a. Acabarão por entrar em cena os mesmos personagens da obra Ensaio sobre a cegueira, pelo que se aconselha o leitor a fazer uma leitura desta obra antes de proceder à leitura de Ensaio sobre a Lucidez. Neste livro, Saramago desenvolve uma crítica mordaz às instituições do poder político: sob a democracia podem estar vetores de natureza autoritária - lúcido é quem os enxerga. Nas eleições legislativas de 2004 em Portugal, algumas organizações apelaram ao voto em branco, aparentemente na sequência da idéia de Saramago.

domingo, 18 de outubro de 2009

Quase concluída a fase pública das eleições autárquicas em Estremoz

Em Santo Estêvão, freguesia com apenas 93 eleitores, o plenário de eleitores, escolheu hoje os seus autarcas sendo eleito presidente da Junta de Freguesia o Independente Mariano Dias.

No plenário de eleitores realizado hoje em São Bento de Ana Loura registou-se uma situação de empate técnico que não permitiu a eleição pelo que no próximo Domingo, dia 25, será repetido acto eleitoral nesta freguesia que tem somente 33 eleitores.

Está pois quase encerrado o envolvimento directo dos cidadãos eleitores no processo eleitoral autárquico no Concelho de Estremoz (com os plenários de cidadãos em Santo Estêvão e São Bento de Ana Loura) o desfecho e a composição dos órgãos autárquicos é o seguinte:

AM:
IND 3035 PS 2780 PPD/PSD 1287 PCP-PEV 1066 CDS-PP 211 BE 211
ELEITOS:
IND 8 + 5 PS 7 + 3 PPD/PSD 3 + 2 PCP-PEV 3 + 2
(falta o presidente da Junta de S. Bento Ana Loura)
PRESIDENTE:
(a eleger na primeira reunião da AM)
(estão considerados os eleitos directamente e adicionados os presidentes de junta)

CM:
IND 3577 PS 2867 PPD/PSD 979 PCP-PEV 932 CDS-PP 163 BE 113
ELEITOS:
IND 3 PS 3 PPD/PSD 1
PRESIDENTE:
IND (Cabeça de lista)
VEREDORES: C/PELOUROS (A atribuir pelo Presidente da Câmara)

AF:
PS 2748 IND 2593 PPD/PSD 1757 PCP-PEV 1313 CDS-PP 170
ELEITOS:
PS 34 IND 24 PCP-PEV 17 PPD/PSD 14
PRESIDENCIAS:
IND. 4 + 1 PS 3 PCP-PEV 2 PPD/PSD 2
(falta S. Bento Ana Loura)
SECRETÁRIOS E TESOUREIROS: (A eleger em AF)
(estão considerados os eleitos directamente e adicionados os escolhidos em plenário de eleitores)

Urbanização do Rossio em Estremoz

O futuro do Rossio em Estremoz:

A maior praça da cidade de Estremoz, e segundo muitas opiniões a maior praça de uma povoação, vila ou cidade portuguesa, tem a designação de Rossio Marquês de Pombal, surgindo por vezes com a designação de Rossio de São Brás, o que deve ser uma incorrecção pois o espaço que aparece por vezes designado por Rossio de São Brás é o espaço actualmente ocupado pelo Jardim Publico.

Das décadas de 60 e 70 existe um projecto de urbanização para o Rossio que prevê a abertura de uma linha de água, no local de um antigo ribeiro que correria no sentido do Sátiro para o Gadanha, alimentado por uma nascente existente na zona do cruzamento da Rua dos Telheiros com a Rua das Portas de Santo António. Este projecto ficou entretanto na gaveta.

Durante os últimos mandatos da CDU na presidência da Câmara foi feita a deslocação do Monumento aos Combatentes da Grande Guerra bem como o calcetamento do Rossio. E algumas plantações de novas árvores bem como o arrelvar da envolvente.

Existe actualmente um projecto cuja responsabilidade é atribuída ao PS durante o ultimo mandato na presidência da Câmara que prevê a implementação de uma nova via de trânsito entre o Café Alentejano e o Antigo Hospital mantendo-se, ao que parece, a actual via de trânsito junto ao mercado. Este projecto é fortemente combatido pelas forças vivas da cidade e espera-se que não venha a ser concretizado dada a perda da presidência da Câmara pelo PS.

Quanto ao projecto da actual Câmara Municipal, procuramos no programa disponível na Internet e o que encontramos foi: "Analisar a viabilidade das principais obras em curso (projecto de requalificação do Rossio Marques de Pombal, Mercado encravado junto à Câmara Municipal, estudo …" ou o mesmo é dizer nada.

Numa recolha efectuada no mercado de Sábado junto dos estremocenses era voz corrente que dado o facto do calcetamento não ter tido os resultados pretendidos apresentando alguns inconvenientes o que estará previsto para o Rossio é a plantação de uma vinha que permita a produção de uvas em quantidade suficiente para a produção de vinho de forma a colmatar a falta que começa a existir no comércio local.

Dizem por ai que está inclusive previsto o regresso da PSP para o edifício da Câmara Municipal para assegurar a guarda das uvas que irão dar origem ao precioso néctar.

Para terminar voltamos ao inicio deste artigo, no que se prende com a designação do espaço que passará ser Rossio de São Baco (deus da mitologia grega). Assim à Divindade (Sátiro) e ao deus Saturno (Gadanha) junta-se o São Baco (Máurio).

Numa zona ainda não definida será colocada uma estátua de Máurio desconhecendo-se ainda quem vai ser o escultor responsável pela feitura da mesma. O caderno de encargos parece que prevê algo de simbolize o cruzamento de um humano com um cacho de uvas conforme foto inspiradora:

sábado, 17 de outubro de 2009

In o "Sol" - Alunos do Liceu Camões arrasam legado de Lurdes Rodrigues

O representante dos alunos do Liceu Camões destacou-se hoje durante as comemorações dos 100 anos da escola ao tecer duras críticas à política educativa, acusando a ministra da Educação de «tirar credibilidade à democracia».

Esta intervenção faz lembrar o agora deputado Alberto Martins quando era estudante em Coimbra, antes de ser Xuxialista.

Pedro Feijó, delegado dos alunos no Conselho Pedagógico do Liceu Camões, foi um dos participantes da cerimónia do 100º aniversário da escola, ao lado do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, e da ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, além do director da escola e do médico João Lobo Antunes, um dos antigos alunos.

Pedro Feijó, que discursou de improviso, criticou o que disse serem os «entraves que foram postos à democracia nas escolas pelas novas políticas de Educação» e «a linha de orientação errada que a Educação tomou», acusações que não mereceram qualquer reacção da ministra no discurso que fez de seguida.

«O que o Ministério fez foi tirar credibilidade à democracia dentro e fora da escola», sublinhou.
Entre os exemplos que considera negativos das políticas educativas do Governo cessante, o aluno apontou o novo Estatuto do Aluno, considerando que, em vez de falar dos estudantes como «os agentes construtores da escola, fala como essas pessoas iguais e padronizados, que vêm às escolas apenas para fazer os seus testes e competir por um futuro que não é garantido e que devia ser um direito».

Outro exemplo daquilo que considerou «um dos maiores ataques à democracia» é o novo modelo de gestão das escolas, que «tira a representatividade e o poder aos estudantes e outras classes nos órgãos de gestão, dando-o a agentes exteriores à escola».

«Por melhor que essa colaboração pudesse ser, não podemos prescindir de direitos tão fundamentais como a eleição do director da escola e a elaboração do regulamento interno», sublinhou, motivando fortes aplausos entre a audiência.

Mas, para o jovem estudante, pior do qualquer lei, «foi a atitude do ministério».

«Desprezou manifestações com milhares de estudantes, só por sermos menores, como se por sermos estudantes de secundário não tivéssemos uma palavra a dizer. Desprezou abaixo-assinados, incluindo um com dez mil assinaturas de estudantes, que pediram a revogação destas leis. Desprezou manifestações com várias dezenas de milhar de professores que lutavam pelos seus direitos, pelas suas escolas», sustentou.
Vale a pena ver mais em: WEHAVEKAOSINTHEGARDEN

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

O sector terciário (comercialização) vai estagnar

Alguem bebeu o Vinho todo e agora não há para comercializar:

Beber! beber muito...


quinta-feira, 15 de outubro de 2009

O futuro do sector secundário (produção) em Estremoz

Cultivam-se uvas para produzir Vinho:

Vinho! muito vinho...



quarta-feira, 14 de outubro de 2009

O futuro do sector primário (agricultura) em Estremoz

No rescaldo das eleições autárquicas com Mourinha na presidência este é o futuro da agricultura no concelho:

Uvas! muitas uvas...

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Balanço dos resultados em Estremoz

Surpresa? Nem tanto assim!

As minhas previsões (em 09/10/08 e 09/10/09 neste blogue) e os resultados (em 09/10/11) foram:

CM
Candidatos: BE / PCP / PS / Mourinha / PSD / PP
Previsões: 0 / 1 / 2 a 3 / 2 / 1 ou 2 / 0
Resultado: 0 / 0 / 3 / 3 / 1 / 0
Só não acertei no facto de o PCP não eleger pelo menos um vereador (o que se deve ao facto de o próprio eleitorado simpatizante e militante não ter seguido a disciplina de voto do PCP e mais do que o previsivel ter deslocado a sua votação para o Mourinha). De 2005 (2797 votos) para 2009 (932 votos) a quebra do PCP foi de 1865 eleitores.

AM
Candidatos: BE / PCP / PS / Mourinha / PSD / PP
Previsões: 2/ 3/ 7 / 1 / 6 / 2
Resultado: 0 / 3 / 7 / 8 / 3 / 0
Não acertei na capacidade que acreditava existir por parte do BE e do PP de manterem o seu eleitorado potencial e o eleitorado à sua esquerda e à sua direita que com tal votação poderia estar representado na Assembleia Municipal. Talvez tenha havido demasiado optimismo da minha parte, mas infelizmente tal não sucedeu com grande pena minha.
Também nada fazia prever o PSD não conseguir segurar o seu eleitorado potencial e vir a ter uma quebra de 2146 votos (PSD+Independentes em 2005) para apenas 1287 votos (em 2009). A deslocação para a lista do Mourinha na Assembleia Municipal não era espectável, mas sucedeu apesar de se constactarem menos 542 votos na votação para a AM do que na votação para a CM na lista do Mourinha.

AF
Candidatos: BE / PCP / PS / Mourinha+Independentes / PSD / PP
Previsões: - / 4 / 3 / 1 / 3 / -
Resultado: - / 2 / 3 / 4 / 2 / -
(falta eleger dois presidentes de junta em plenário de cidadãos eleitores)
Não era prevísivel a perda de Santo André pelo PSD nem a perda da Glória pelo PCP, bem como todas as outras grandes movimentações havidas nas Freguesias. Com a presença dos Presidentes de Junta na Assembleia Municipal vai haver uma composição da AM muito pouco representativa do peso político real do eleitorado estremocense.

COMPOSIÇÃO DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL
PCP / PS / Mourinha+Independendentes / PSD
5 / 10 / 12 / 5
(falta eleger dois presidentes de junta em plenário de cidadãos eleitores)

Vamos estar atentos, apesar da maioria da Assembleia estar nas mãos do Mourinha e do PS.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Declaração de Guerra

Após o conhecimento dos resultados das eleições autárquicas, que ontem tiveram lugar, manifestei aqui recorrendo a uma forma de expressão em verso sob a forma de uma quadra com saber popular um sentir profundo e compartilhado pela maioria dos estremocenses.

Mourinha ganhou! e Estremoz perdeu!
O PS perdeu! e Estremoz ganhou!
O PSD ficou-se! e Estremoz fica-se!
O PCP perdeu! e Estremoz aprendeu?


Depois da primeira análise das consequência dos resultados e das suas razões consultei muitos daqueles que estão no espetro dos que concordam com a minha visão sobre a problemática da situação passada, presente e futura em Estremoz.

As opiniões são unânimes sobre a necessidade de estar atento ao evoluir da situação e contribuir para uma tomada de posição permanente sobre as actuações no futuro próximo em Estremoz perspectivando a intervenção que se torna necessária, indispensável e urgente no sentido de devolver Estremoz aos Estremocenses no próximo acto eleitoral.

Estamos cientes que expremimos o sentir da maioria que são pelo menos os 6819 eleitores (51,41%), que não votaram no Mourinha 3577 (26,97%) nem no Palmeiro do PS 2867 (21,62%) e...

NÃO NOS CALARÃO

NÃO ME CALARÃO

domingo, 11 de outubro de 2009

E Estremoz Votou!

E eu acho que:

O Mourinha ganhou! e Estremoz perdeu!
O PS perdeu! e Estremoz ganhou!
O PSD ficou-se! e Estremoz fica-se!
O PCP perdeu! e Estremoz aprendeu?

O Futuro é Negro... Preto... Escuro... Péssimo.

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

O Meu Voto

Três Eleições! Três Votos! > E o meu voto Não é para... e É para...
CM (Câmara Municipal):
BE > Sem hipóteses de eleger
PCP > Não voto em paraquedistas
PS > Não votarei PS
Mourinha > Não apoio indivíduos
PSD > Hipótese a considerar
PP > Sem hipótese de eleger
AM (Assembleia Municipal):
BE > Um voto a considerar
PCP > Já mostraram o que valem
PS > Jamais votarei PS
Mourinha > Não a apoios pessoais
PSD > Já tem o voto na Câmara
PP > Um voto a ponderar
AF(Assembleia de Freguesia):
PS > Nunca jamais
Qualquer um que não seja PS

A Votação em Estremoz, nas Eleições Autárquicas

O grande problema de "em quem votar?", nas eleições autárquicas.

- O grande problema sobre "em quem votar", nas eleições autárquicas, está no facto de ocorrerem simultaneamente no mesmo dia três actos eleitorais (CM - Câmara Municipal, AM - Assembleia Municipal e AF - Assembleia de Freguesia), e de a maioria dos actores envolvidos andarem a fazer passar a mensagem e procurarem fazer crer aos eleitores que a importância das eleições está numa pessoa e concretamente no candidato à Presidência da Câmara Municipal reduzindo o acto a uma só eleição, a eleição para o órgão executivo CM (que apenas executa).
- Menospreza-se o órgão deliberativo Assembleia Municipal que detêm efectivamente o poder de decisão e apresenta-se a Câmara Municipal como o "Salvador da Pátria" com um poder que de facto e de júri (lei) não tem, pois as propostas e os projectos de actuação da Câmara Municipal têm que ser submetidas sempre à aprovação da Assembleia Municipal.
- As forças politicas, no poder após 25 de Abril de 1974, por motivos que nos fazem pensar duas vezes, têm deixado andar o sistema e não fazem intervir como deviam a Assembleia Municipal tal como está previsto nas suas atribuições e competências.
- É necessário reposicionar a Assembleia Municipal dando-lhe e colocando-a a exercer as funções que lhes estão por lei constitucionalmente atribuídas, isto é DECIDIR e acompanhar, vigiar e fiscalizar a Câmara Municipal na sua actividade executiva.

É desejável uma CM - Câmara Municipal pluripartidária, onde não haja lugar a maiorias absolutas a imporem a sua vontade partidária e sectária, e portanto conveniente uma representação da maioria possível das forças politicas concorrentes a este órgão.

Para que a AM - Assembleia Municipal seja um autêntico e verdadeiro órgão representativo dos eleitores do Município é indispensável e necessário que todas as forças politicas estejam representadas no mesmo com o peso real que efectivamente têm no Concelho.

No que respeita à AF - Assembleia de Freguesia trata-se de um órgão onde a proximidade do cidadão aos eleitos determina o sentido da votação que é muito personalizada, sendo importante ter em conta as manobras partidárias de bastidores.

Uma análise histórica dos resultados eleitorais no Concelho de Estremoz, admitindo um espectro político, segundo uma classificação mais ou menos consensual, que vai da EE - Extrema Esquerda à ED - Extrema Direita agrupado da seguinte forma:
EE - Extrema Esquerda: PCTP/MRPP / AOC / PT / POUS
ET - Esquerda Tradicional: MES / PUP / LST / LCI / PSR / PCR / UDP / BE
EC - Esquerda Clássica: MDP/ FSP / APU / FEPU CDU / PCP /PEV
CE - Centro Esquerda: FRS / UEDS / PRD / PS
OI - Outros e Independentes: OUTROS / INDEPENDENTES
CD - Centro Direita: PPD/PSD / ASDI / PSN / MMS / MEI
DC - Direita Clássica: CDS-PP / PND
DT - Direita Tradicional: PPM / MPT / PH
ED - Extrema Direita: PDC / PDA / PPV / PNR

e apertando o espectro em torno das forças políticas actualmente candidatas à autarquia resultará:
BE: englobando os votos da EE e ET
PCP: contemplando os eleitores da EC
PS: compreendendo a votação do CE
Mourinha: considerando os OI
PSD: contemplando os eleitores do CD
PP: englobando os votos da DC, DT e ED

O peso político das diversas forças estará distribuído do seguinte modo:

CM - Em termos concelhios e transpostos para a realidade autárquica o histórico dos resultados eleitorais a perspectiva de resultados projectados aponta para uma distribuição dos 7 eleitos para a CM segundo o seguinte gráfico:

AM - Em termos de distribuição dos 21 lugares a eleger directamente para a Assembleia Municipal pode-se reflectir uma composição expressa no gráfico seguinte:

correcção: BE (2) - PCP (3) - PS (7) - Mourinha (1) - PSD (6) - PP (2)

AF - Na composição da Assembleia Municipal pesa ainda a presença dos presidentes das 13 Juntas de Freguesia, que a manter-se o actual peso político nas Freguesias as presidências terão a distribuição partidária constante do gráfico:

Desta forma na Assembleia Municipal pode haver uma significativa representação, existindo um equilíbrio partidário em todos os órgãos autárquicos, e particularmente no deliberativo AM, das forças politicas de acordo com o actual espectro e portanto uma afirmação da possibilidade de concretização da defesa dos interesses realmente existentes e não os ditames de um qualquer aparelho partidário que seja dominante no Concelho por ter tido apenas mais um voto.

Por isso VOTEM BEM! E lembrem-se:

Para a CM:
Na conjuntura actual em que o PS domina os meios de comunicação social e utiliza o poder como arma de arremesso contra os eleitores mais socialmente dependentes, muito aponta para que volte a ser eleito o actual presidente da Câmara.

- No PS, já deram o que tinham a dar e votar PS é mais do mesmo e uma agressão à população do Concelho de Estremoz
- No PCP, sem ninguém capaz no Concelho para candidatar, e ao cair um paraquedista, profissional da politica, eu não voto, nem em minha opinião qualquer estremocense que se preze o deve fazer.
- No Mourinha, não poderei votar porque não aparo jogadas nem estou aqui para apoiar projectos individualistas com a agravante de tudo apontar tratar-se de uma candidatura destinada a aumentar o numero de anos de serviço necessários para a obtenção do tempo necessário à reforma por inteiro (era o que me faltava!)
- No PSD, considero a hipótese de voto por se tratar de um estremocense que até nem precisa de um lugar na para ganhar o dinheiro que lhe permita comer e dar de comer aos seus (como muitos candidatos que por aí houve e haverá que nada sabem fazer).
- No PP e no BE, não parece haver qualquer hipótese, na actual conjuntura, de eleger um vereador pelo que é um voto que considero inútil.

Para a AM:
Quanto mais representativa do espectro político do Concelho for a AM mais útil a mesma será para os estremocenses assim o voto.
- No PS, é um inconveniente e uma desvantagem dado ser uma carta em branco ao presidente da Câmara que se prevê poder continuar a ser do PS.
- no PCP, já se constatou não ter tido no passado, muito particularmente e nomeadamente na última legislatura, um papel pró-activo limitando-se a estar e não evitando as atentados, como por exemplo concretamente os que a nível urbanístico têm sido praticados em Estremoz.
- No Mourinha, por todas as razões não será o meu voto que irá alimentar os interesses individualistas da candidatura.
- No PSD, pode ser uma hipótese de voto a considerar mas, atendendo ao peso que irá ter na composição do executivo na Câmara Municipal (possivelmente dois vereadores) entendo não ser certamente vantajoso para garantir um equilíbrio conveniente na AM.
- No PP ou no BE, estão aqueles candidatos que na AM deverão ter assento para que a mesma seja realmente representativa da sociedade estremocense, sendo aqui que em meu entender deve cair o voto do estremocense politicamente esclarecido que rume contra a maré, é só optar por uma ou outra força politica, de acordo com a sua consciência política e forma de estar na sociedade irá ter o seu representante efectivo. O voto útil na AM é pois no PP ou no BE (vamos fazer crescer e dar voz às minorias).

Para a AF:
Sendo a Assembleia de Freguesia o órgão de maior proximidade com os eleitores, a escolha é muitíssimo personalizada na pessoa daquele que poderá vir a ser o Presidente da Junta de Freguesia.
- Assim quanto à AF o cabeça de lista vencedora, que terá lugar na Assembleia Municipal, irá ser o presidente da Junta, e depois de entre os eleitos serão votados em Assembleia de Freguesia os restantes membros da Junta e constituída a mesma. Trata-se pois de uma eleição muito personalizada em que cada eleitor deve ponderar o seu voto em função do conhecimento que garantidamente tem dos candidatos das diferentes forças politicas à AF e consequentemente à presidência da Junta de Freguesia.

Para concluir:

NÃO A MAIORIAS ABSOLUTAS, TENDENCIALMENTE DITATORIAIS, SIM AO PLURALISMO NOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS.

No domingo vote bem! O mesmo é dizer, vote em consciência! Em sua consciência.
AJPM