domingo, 18 de outubro de 2009

Urbanização do Rossio em Estremoz

O futuro do Rossio em Estremoz:

A maior praça da cidade de Estremoz, e segundo muitas opiniões a maior praça de uma povoação, vila ou cidade portuguesa, tem a designação de Rossio Marquês de Pombal, surgindo por vezes com a designação de Rossio de São Brás, o que deve ser uma incorrecção pois o espaço que aparece por vezes designado por Rossio de São Brás é o espaço actualmente ocupado pelo Jardim Publico.

Das décadas de 60 e 70 existe um projecto de urbanização para o Rossio que prevê a abertura de uma linha de água, no local de um antigo ribeiro que correria no sentido do Sátiro para o Gadanha, alimentado por uma nascente existente na zona do cruzamento da Rua dos Telheiros com a Rua das Portas de Santo António. Este projecto ficou entretanto na gaveta.

Durante os últimos mandatos da CDU na presidência da Câmara foi feita a deslocação do Monumento aos Combatentes da Grande Guerra bem como o calcetamento do Rossio. E algumas plantações de novas árvores bem como o arrelvar da envolvente.

Existe actualmente um projecto cuja responsabilidade é atribuída ao PS durante o ultimo mandato na presidência da Câmara que prevê a implementação de uma nova via de trânsito entre o Café Alentejano e o Antigo Hospital mantendo-se, ao que parece, a actual via de trânsito junto ao mercado. Este projecto é fortemente combatido pelas forças vivas da cidade e espera-se que não venha a ser concretizado dada a perda da presidência da Câmara pelo PS.

Quanto ao projecto da actual Câmara Municipal, procuramos no programa disponível na Internet e o que encontramos foi: "Analisar a viabilidade das principais obras em curso (projecto de requalificação do Rossio Marques de Pombal, Mercado encravado junto à Câmara Municipal, estudo …" ou o mesmo é dizer nada.

Numa recolha efectuada no mercado de Sábado junto dos estremocenses era voz corrente que dado o facto do calcetamento não ter tido os resultados pretendidos apresentando alguns inconvenientes o que estará previsto para o Rossio é a plantação de uma vinha que permita a produção de uvas em quantidade suficiente para a produção de vinho de forma a colmatar a falta que começa a existir no comércio local.

Dizem por ai que está inclusive previsto o regresso da PSP para o edifício da Câmara Municipal para assegurar a guarda das uvas que irão dar origem ao precioso néctar.

Para terminar voltamos ao inicio deste artigo, no que se prende com a designação do espaço que passará ser Rossio de São Baco (deus da mitologia grega). Assim à Divindade (Sátiro) e ao deus Saturno (Gadanha) junta-se o São Baco (Máurio).

Numa zona ainda não definida será colocada uma estátua de Máurio desconhecendo-se ainda quem vai ser o escultor responsável pela feitura da mesma. O caderno de encargos parece que prevê algo de simbolize o cruzamento de um humano com um cacho de uvas conforme foto inspiradora:

3 comentários:

  1. Para além do Gadanha e do Sátiro aparece agora o Máurio. Estremoz tem personagens fantásticas. Enfim! gosto...

    ResponderEliminar
  2. Creio que pelo que vi na planta o projecto da Câmara PS premiado com o Prémio Cidade de Excelência, prevê a abertura da via como diz no post mas prevê também o encerramento da actual via (TOTTA, rotunda em frente ao BES) para dar amplitude e espaço ao Mercado Tradicional, penso que isso pode ser consultado na net.

    ResponderEliminar
  3. Este espaço, é um espaço satírico onde há também lugar ao debate sério.
    A questão levantada por "Anónimo" sobre o Projecto para o Rossio e sua envolvente leva-me a colocar aqui uma orientação para o acesso à informação disponível na Internet relativa ao Projecto.
    Em http://www.concursoideias.estremozmarca.com está a Banha da Cobra dos Xuxialistas e em http://www.concursoideias.estremozmarca.com/conteudos/docs/apr_concurso_ideias.pdf?phpMyAdmin=b5f24acf8b8fcccab3f7588f4fa03039&phpMyAdmin=bc17f27193e9c9362483579f7254efbe
    é possivel consultar pormenores do Projecto.
    É de referir que para além da muito discutível travessia com uma via de trânsito a abrir entre o Café Alentejano e o Antigo Hospital se mantem, conforme se constacta nas imagens de projecto disponiveis na net, uma via de trânsito mais ou menos coincidente com a actualmente existente junto ao mercado entre o TOTTA e a actual rotunda frente ao BES.
    Não entendo pois o para quê de duas vias paralelas, a actualmente existente e a nova entre o Café Alentejano e o Antigo Hospital. Só se é para dinamizar as empresas de construção civil que vão concretizar o projecto (má língua!).

    ResponderEliminar

Loading...