quarta-feira, 28 de julho de 2010

As trafulhices do PS continuam, nomeadamente em Estremoz

Enfermeiros acusam INEM de trocar ambulâncias

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses acusa o INEM de substituir ambulâncias SIV (Suporte Imediato de Vida) por ambulâncias SBV (Suporte Básico de Vida), com risco para as populações, sobretudo no Alentejo. A Ordem confirma. O INEM desmente.

“Há ambulâncias SIV que estão a ser substituídas por ambulâncias SBV, que é praticamente a mesma coisa que ter ambulâncias dos bombeiros”, denunciou Pedro Frias, da direcção nacional do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, em conferência de Imprensa, ontem, segunda-feira, em Coimbra.

De acordo com o sindicalista, tal sucede, em especial, no Alentejo (aconteceu ontem, segunda-feira, em Estremoz, garantiu), com prejuízo para as populações, e resulta da “grave carência de enfermeiros nas SIV”, aliada ao facto de ser tempo de férias.

Pedro Frias explicou que estas ambulâncias são “quase iguais no exterior”, mas a SIV “tem um enfermeiro e um técnico”, o que permite “prestar um socorro diferente de uma ambulância dos bombeiros, que tem apenas dois técnicos”.

Aproveitou, ainda, para anunciar que a maior parte da equipa de enfermagem do helicóptero de Santa Comba Dão, no distrito de Viseu, usado pelo INEM, “estará indisponível para manter a operacionalidade do meio” a partir de domingo, deixando de assegurar “grande parte dos turnos”.

Isto porque, segundo Pedro Frias, estes enfermeiros “consideram que está em causa a qualidade e a segurança dos cuidados que prestam”, por não existir “protocolo para a esterilização dos materiais usados” ou “fardamento específico”, como capacetes.

A ausência de pagamentos “desde há cinco meses” foi outra razão apontada pelo sindicalista, que sugeriu a demissão do Conselho Directivo do INEM, apelidando-a de “acto de caridade”.

Contactada pelo JN, fonte do gabinete de comunicação do INEM refutou estas afirmações.

Mas o vice-presidente da Ordem dos Enfermeiros, Jacinto Oliveira, reiterou a informação veiculada pelo Sindicato. Sobre o caso de Santa Comba Dão, confirmou que “grande parte dos nossos colegas está determinada a abandonar o serviço a partir do dia 1 de Agosto”.

E reforçou o que foi dito acerca da alegada substituição de ambulâncias SIV por SBV, dizendo que acontece, sobretudo, no Alentejo e no Algarve. “Há populações em risco e não sabem”, sustentou.
Fonte do Ministério da Saúde, por seu lado, fez saber que, “de acordo com o Plano Estratégico dos Recursos Humanos de Emergência Pré-hospitalar, o projecto SIV é para continuar e para reforçar”, sendo as “afirmações em contrário falsas”.

E informou que, “nos próximos dias, serão abertos processos de recrutamento de enfermeiros nos dois hospitais do Algarve e nos quatro hospitais do Alentejo, com o objectivo de fazer face às dificuldades de recursos humanos na área de enfermagem”.

Estes “trabalharão no regime misto previsto no Plano estratégico, alocando dois terços do seu tempo à SIV e um terço à Urgência do Hospital de referência”.

Em nota escrita, informou, também, que o INEM vai formar 72 profissionais (médicos e enfermeiros) para os helicópteros, antevendo um “reforço substancial” dos recursos humanos “já no próximo mês”.

1 comentário:

  1. É assim em tudo. Vejam que até nem houve tempo para que o sr. Sócrates fosse ouvido pela magistratura, sobre o Freeport e as leis impedem que os sinais caso exteriores de riqueza sejam fiscalizados pelas finanças. Entre Portugal e alguns países de África, a diferença é só a cor dos dirigentes.
    O Tremoceiro

    ResponderEliminar

Loading...